metodo-fonico-sera-utilizado-pelo-governo-na-alfabetizacao-contrariando-a-vontade-de-alguns-especialistas-brasileiros

Método fônico será utilizado pelo Governo na ALFABETIZAÇÃO

Método fônico será utilizado pelo Governo

Método fônico do governo volta ao debate e destaca algumas mudanças no método de alfabetização do Brasil. Num decreto que instituiu nesta quinta-feira, 11/04/2019, com a Política Nacional de Alfabetização que enfatiza o uso da consciência fonêmica como parte do currículo de alfabetização, o texto ainda  volta a incluir a família como um dos “agentes do processo de alfabetização”1.

Embora o termo “método fônico” não apareça, foram retomados pontos da minuta proposta pela equipe de Ricardo Machado Vieira, ex-executivo do MEC, no qual, havia alterado no projeto o termo “método fônico”, atendendo a pesquisa de diversos especialistas.

Método fônico para ensinar a ler e escrever com o uso sistemático da fônica

Nos países mais desenvolvidos do mundo, o método fônico é o mais utilizado para ensinar uma criança a ler e escrever. A versão retificada do projeto prevê o uso do método fônico, mesmo não fazendo menção ao termo, afirmava que o processo de aprendizagem da leitura e escrita se daria nos dois primeiros anos do ensino fundamental – o que é considerado adequado nos países com melhores sistemas educacionais.

Mas no final mantém a recomendação de que o processo de aprendizado da leitura e escrita se dará no primeiro ano do ensino fundamental. “Outra orientação, segundo o jornal, é que crianças de 0 a 5 anos tenham “ensino de habilidades fundamentais para a alfabetização, como consciência fonológica, consciência fonêmicaconhecimento alfabético”, e  para isso precisa que os pais, em casa, estimulem o desenvolvimento da linguagem oral dos filhos.

A versão retificada do decreto desta quinta – 11/04/2019 – volta a apresentar como pilares “consciência fonêmicainstrução fônica sistemática, fluência em leitura oral, vocabulário e compreensão de texto e se inclui a produção escrita.” “

Houve grande disputa de poder no MEC, militares e técnicos se opuseram à proposta defendida pelo secretário de Alfabetização, Carlos Nadalim – um dos poucos mantidos desde o início da gestão.

O texto ainda deixa claro que os Estados e municípios que aderirem à política receberão “assistência técnica e financeira” da União. Mas não indica de que maneira isso se dará.

Método Fônico não é indicado no texto

Nenhum método específico de alfabetização foi explicitamente priorizado no texto, mas ele indica que algumas teorias devem ganhar espaço dentro das orientações do MEC. Elas estão citadas no texto como ciência cognitiva da leituradefinida como os estudos da aprendizagem e do ensino da leitura e da escrita, com base em evidências das áreas de psicologia, neurociência e linguística cognitiva [2].

Para você conhecer mais alguns dos métodos de alfabetização vou deixar um link no final deste post para você ler.

Além do mais a Constituição Federal impede o MEC de impor um método único de ensino às redes estaduais, municipais e às escolas particulares. Entrar nesse mérito é violar a autonomia constitucional dos estados e municípios. O papel da União é fornecer diretrizes, articular especialistas e apoiar financeiramente os sistemas regionais e locais.

Segundo o professor Renan Sargiani, coordenador-geral de Neurociência Cognitiva e Linguística do MEC, é preciso esclarecer que a instrução fônica é apenas uma etapa do processo de alfabetização. Como uma etapa, ela tem duração, com começo, meio e fim. Podemos dizer então que a fônica não é um método, mas sim um componente de métodos, programas ou abordagens de alfabetização que são eficientes. Todo bom programa de alfabetização inclui diferentes componentes e práticas.[3]

Acredito que o MEC não tenha inventado isso agora, e aplicação da fônica não é apenas coisa da cabeça do professor Carlos Nadalim, ela já está prevista até mesmo na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), em que foi estabelecido, nos primeiros anos do ensino fundamental referentes à alfabetização, que se deve trabalhar com consciência fonológica, com o ensino de letras e com o ensino da natureza do sistema alfabético e das relações entre fonemas e grafemas com o objetivo de decodificá-los, que é justamente aquilo que se recomenda em uma abordagem fônica.

O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) e o Programa Mais Alfabetização também já contêm esse tipo de perspectiva embutida de certo modo, principalmente com os jogos de consciência fonológica.

Esses documentos, como a BNCC, precisam somente ser esclarecidos para que possamos ter objetivos educacionais mais claros e estratégias de ensino apropriadas.[3]

Talvez toda esta polêmica deve-se porque alguns acreditam que os métodos fônicos atuais se restrinjam apenas às instruções fônicas, mas é baseado em evidências científicas e uma vasta bibliografia internacional, vai muito além disso.

Leia este artigo que escrevi: “A chave para ensinar seu filho a ler” , e descubra que um método fônico eficaz vai muito além das instruções fônicas.

metodo fonico

Métodos de Alfabetização – Método Global x Método Fônico

 

1“Decreto do governo federal sobre alfabetização destaca método ….” 12 abr. 2019, https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,decreto-do-governo-federal-sobre-alfabetizacao-destaca-metodo-fonico-e-familia,70002788604. Acessado em 13 abr. 2019.

2“MEC estuda priorizar a alfabetização no 1º, e não mais até o 2º ano ….” 4 abr. 2019, https://g1.globo.com/educacao/noticia/2019/04/04/mec-estuda-priorizar-a-alfabetizacao-no-1o-e-nao-mais-no-2o-ano-do-ensino-fundamental.ghtml. Acessado em 13 abr. 2019.

3“O professor Renan Sargiani, coordenador-geral de Neurociência Cognitiva e Linguística do MEC, fala sobre as diversas metodologias de alfabetização. Ministério da Educação – Ministério da Educação – Portal do MEC.” http://portal.mec.gov.br/politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva?ifets=. Acessado em 13 abr. 2019.

O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?

O que tem a ver ensinar meu filho a ler e uma Geladeira?

Esses dias passeando pela cidade com meus filhos, Miguel e  Rafael. 

 

(Para te falar a verdade eu estava tentando distrair meus filhos enquanto minha querida esposa escolhia alguns produtos em uma loja de produtos de beleza – ela precisa se produzir para o maridão aqui 🙂 – e principalmente para as crianças não ficarem mexendo em tudo e derrubar mais um pote de shampoo como havia acontecido na última visita que fizemos à loja.

Não sei como são suas crianças, mas as nossas querem mexer em tudo, afinal elas estão descobrindo o mundo.

Para nós é muito fácil dizer – não mexa nisso menino!

Não mexa naquilo filho! 

Tire sua mão daí abençoado!

Mas, para a criança é muito complicado ver os adultos (mexendo em tudo) pegando os produtos e objetos nas gôndolas de lojas e supermercados e elas ouvirem: tire as mãos disso ou tire as mãos daquilo.

Convenhamos, toda criança é um explorador nato, um pequeno cientista que está descobrindo o mundo.

Não é nada bom para o desenvolvimento da criança ficar dizendo não para tudo, você concorda comigo?

Caso não esteja pondo a vida de ninguém em risco e o prejuízo que poderia causar não passar de alguns reais, assuma os riscos, deixe seu pequeno cientista explorar o mundo.

Bem, eu não estava muito a fim de ver mais um vidro de shampoo no chão, como na última visita à loja, então sai com meus filhos para dar uma volta pelo quarteirão.

De repente me deparei com uma geladeira em um ponto de ônibus!

Perguntei-me, o que uma geladeira estaria fazendo ali?

Neste vídeo é possível ver o que descobrimos e o que aconteceu depois quando a minha esposa me surpreendeu com esta gravação via whatsapp, o vídeo demonstra 2 momentos:

1- Quando descobrimos a geladeira no ponto de ônibus e

2- Quando fui surpreendido com este outro vídeo…

 

O que é a geladoteca?

Eu não sei bem onde começou esta ideia de usar uma velha geladeira para compartilhar livros, o importante é que livros são compartilhados e menos geladeiras estão indo parar no lixo.

Aqui em nossa cidade o projeto foi implantado pelo SESC, este foi nosso primeiro contato com esta ideia, as crianças amaram.

E eu não precisei ver mais um vidro de shampoo no chão!

As “geladotecas” se popularizam pelo Brasil com o principal objetivo de estimular o hábito da leitura. Talvez como uma das alternativas para reverter o quadro que quero discutir a seguir.

Por que 44% dos brasileiros não gostam de ler ou são considerados não leitores?

Leitor é aquele que leu, inteiro ou em partes, pelo menos 1 livro nos últimos 3 meses.

Não leitor é aquele que declarou não ter lido nenhum livro nos últimos 3 meses, mesmo que tenha lido nos últimos 12 meses.

O que quero dizer com isso?

Talvez muitas crianças e adultos não gostem de ler pelo simples motivo de ninguém nunca ter lido para elas, ou talvez, leram muito pouco em sua infância.

Mas, hoje com a popularização dos livros e dos meios de comunicação isso já não é mais problema. Podemos buscar livros em bibliotecas publicas, em “geladeiras” ou até receber os livros em casa por um baixo custo em clubes de livros.

Se o povo brasileiro não gosta de ler já está mais do que na hora de começar a mudar isso e esta mudança começa em casa.

Se o jovem brasileiro não gosta de ler, será que isso é um problema educacional ou cultural?

O que posso te responder é que a estimulação das crianças a desenvolver o fascínio pelo universo das letras precisa começar ainda muito cedo: o quanto antes possível, melhor.

 

E se não gostam de ler a culpa não é deles, talvez um dos principais motivos seja porque ninguém leu para elas ou talvez não aprenderam a ler direito.

Pensando neste grande problema eu separei 7 Dicas de leitura partilhada para te ajudar nisso e começar a mudar esta triste realidade ainda hoje, prevenindo que seu filho engrosse as estatísticas de que: brasileiro não gosta de ler.

O que é Leitura Partilhada?

Leitura Partilhada é a partilha do livro no qual o adulto lê e a criança acompanha a leitura de maneira atenta e envolvente. Esta é uma técnica de leitura interativa, a criança observa o que o adulto lê e relaciona a oralidade com os objetos e as palavras escrita que as representam.

No modelo de leitura partilhada geralmente usa-se livros de grandes dimensões (referidos como livro gigante) com impressões e ilustrações ampliadas. Isso não te impede de usar livros de outros tamanhos.

Eu particularmente prefiro usar livros de dimensões variadas, devido ao alto custo e a escassez de livros gigantes em português brasileiro.

Os primeiros anos são cruciais para a criança desenvolver o amor pela leitura ao longo da vida. Os pais são os principais agentes neste processo.

7 Dicas para Aumentar o Vocabulário de Seu Filho e que usei para ensinar meu filho a ler

Nunca é cedo demais para começar a ler para o seu filho!

As dicas a seguir oferecem algumas maneiras divertidas em que você poderá ajudar seu filho a se tornar um leitor feliz e confiante.

Experimente uma nova dica a cada semana.

Dê o seu melhor!

1 – Leia desde cedo e leia muitas vezes.

Leia para seu filho todos os dias. Faça isto abraçando seu filho de maneira amorosa para que ele sinta seu calor, traga ele para bem perto de você.

2 – Nomeie tudo

Construa o vocabulário do seu filho falando sobre objetos e palavras interessantes.

Por exemplo: “Olhe para aquele avião!

Essas são as asas do avião.

Por que você acha que eles são chamados de asas?”

São Chamadas de asas porque se parecem com as asas dos pássaros. (Use sua criatividade)

Peça à criança para apontar o objeto que você está nomeando, procure dar pistas para ela, a informação deve ser dada de maneira sistemática. Até que chegue o dia em que a criança aprenderá a ouvir a sua leitura sem tomar o livro de suas mãos.

3 – Diga o quanto você gosta de ler

Diga ao seu filho o quanto você gosta de ler. Fale sobre “o tempo da história”, começo meio e fim.

Deixe que seu filho te pegue lendo.

Coloque entonação e emoção em sua voz;

Leia para seu filho com humor e expressão. Use vozes diferentes. Entendeu?

4 – Saiba quando parar

No começo pode parecer um pouco difícil conseguir ler um livro com seus filhos, talvez eles tomem o livro de suas mãos para folhear ou fazer de conta que estão lendo.

Neste caso troque ou deixe o livro de lado por algum tempo se a criança perder o interesse ou está tendo problemas para prestar atenção. Se ela não está prestando atenção, mas, continuar próximo a você, continue a leitura.

Para manter a atenção da criança em vez de ler, você poderá apontar as figuras do livro e criar a sua própria leitura sem tomar o livro de suas mãos.

Até a criança adquirir o hábito de apenas ouvir a história, com certeza tomará o livro da suas mãos para manusear e fazer de conta que está lendo, imitando você.

Não se preocupe pegue outro livro para ler.

Mesmo que a criança não esteja prestando atenção na leitura, mas permanecendo a sua volta, seu cérebro estará absorvendo inconscientemente o que está sendo lido.

Lembre-se, o cérebro de uma criança é como uma esponja.

A criança vai querer folhear o livro, ou até fechar, tomá-lo de suas mãos, isto é perfeitamente normal, a criança estará começando a se relacionar com o livro.

5 – Seja interativo

Discutir o que está acontecendo no livro, apontar as coisas na página, e fazer perguntas.
Nesta etapa procure, sempre que possível, exigir respostas com sentenças completas, responda você mesmo até a criança aprender a responder corretamente.

A criança deve aprender a responder com uma sentença completa.

Ex: Quem comeu o porquinho?

Quem comeu o porquinho foi o lobo mau.

Você pode ler o livro e formular perguntas e a criança apontar.

Exemplo:

Qual é o leão?

E aguardar que a criança aponte a figura, caso ela encontre dificuldade aponte você mesmo: este é o leão.

6 – Conte outra vez

Vá em frente leia e releia o livro ou conto favorito de seu filho, se preciso leia 100 vezes o mesmo livro!

Esta é uma maneira simples de ajudar seu filho a memorizar poesias, por conta da previsibilidade ele poderá memorizar várias frases e refrões em rimas e parlendas.

7 – Ressalte a impressão do código alfabético em todos os lugares

Fale sobre a escrita também. Fale sobre as palavras escritas que você vê no mundo ao seu redor.

Mencione ao seu filho como lemos da esquerda para a direita e como as palavras são separadas por espaços.

A Leitura partilhada irá contribuir para que a criança adquira conhecimentos importantes na aprendizagem da leitura, a criança já saberá que na nossa cultura se lê da esquerda para a direita e que as palavras são formadas por sequências de letras e separadas por espaços vazios.

Procure sempre que possível correr o dedo sob o texto no sentido da escrita.

Vantagens da Leitura Partilhada

São várias as vantagens da leitura partilhada, mas a principal delas é a aquisição de vocabulário, a exposição aos livros contendo imagens, frases e palavras aumentam a exposição ao vocabulário e conceitos que raramente são usados em conversas do nosso dia a dia.

O PRINCIPAL AGENTE NESSE PROCESSO é a mãe e/ou o pai.

Não se esqueça de ter um tempo de leitura só para você.

As crianças tendem a imitar seus pais, por isso sempre é bom a criança flagrar você lendo, resista à tentação de ligar a televisão ou smartfone e leia um bom livro, quando possível, esta leitura é para você, leia seus livros técnicos, romances etc.

Se a criança não aprender a gostar de livros você já sabe de quem é a culpa.

E-book: As 7 Etapas da Leitura Precoce

Mais detalhes sobre a Leitura partilhada no E-book: As 7 Etapas da Leitura Precoce na nossa área de membros para assinantes.

As 7 Etapas da Leitura Precoce